31 dezembro 2013

Hey revolucionários!
Estamos no último dia do ano, que na minha nada humilde opinião, foi o mais maravilhoso da minha vida. Vivi uma longa caminhada de aprendizados, perdas e conquistas. Aprendi com erros, amadureci com acertos, recordei passados, vivi momentos, construí futuros e agradeço a tudo e a todos que de alguma forma fizeram parte do meu ano, independente de como, cada um deixou comigo, uma parte de si. Para 2014 não possuo expectativas, pois a chave do sucesso está na simplicidade e o meu lema de vida é que pequenas atitudes geram grandes conquistas. Sem mais delongas, que tal recordar as 5 postagens mais acessadas e que mais repercutiram na rede ao longo desse ano? Vamos ao top:








Gostaram do top? Fiquei muito feliz em notar que a minha postagem favorita, foi também a mais curtida e acessada do ano. Mais uma vez agradeço pelo carinho e pelos muitos acessos de vocês que fizeram e continuam fazendo parte do RN. À todos, muita paz, saúde, sucesso e felicidade neste maravilhoso ano que estar por vir e lembrem-se: o ano só muda se a verdadeira mudança partir de dentro de você, feliz 2014.

23 dezembro 2013


Levantei da cama e... Puttz, amanhã já é véspera de natal?

Creio não ter sido o único, às vezes estamos tão aéreos devido a correria do dia a dia que até paramos no tempo, de modo que este parece dar um salto num milésimo de segundo. O post de hoje é bem curto, passei mesmo apenas para desejar um FELIZ NATAL à todos vocês, pois amanhã vou viajar e provavelmente só volto aqui na próxima semana.

Mas antes de ir, quero deixar a seguinte pergunta: "Afinal, o que faz do natal tão especial"? Pensem, compartilhem opiniões, comentem...

21 dezembro 2013


Hey revolucionários, a coluna Espaço do Leitor está de volta e dessa vez recebemos uma super matéria da leitora Júlia Pinho. Super curti, vamos ao post:

Às vezes, aqueles jogos que você joga diretamente do navegador são muito mais viciantes e interessantes do que aqueles jogos pagos que você passa horas e horas para baixar os 20gb de arquivos. Neste top, iremos listar alguns dos mais viciantes que estão disponíveis totalmente de graça, e sem a necessidade de fazer download algum (Ok, talvez necessite de alguns plug-ins para que o jogo rode). Para facilitar o acesso, todos os jogos estarão em um link no final do texto. Isto é importante pois na hora de buscar os jogos na internet é bem fácil achar alguns sites que se aproveitam do sucesso desse tipo de jogo para instalar malwares no computador dos usuários. Um exemplo disto é o malware Shylock, que segundo o site Psafe, surgiu recentemente e é instalado após um falso aviso de atualização do próprio navegador. Sempre cheque a fonte do jogo antes de começar!

5- Dolphin Olympics



Dolphin Olympics é um daqueles jogos onde o objetivo é acumular o máximo de pontos possível em determinado tempo. Nele, você joga com um golfinho que tem que saltar alto e fazer combos, subindo cada vez mais alto e aumentando o multiplicador de pontos para o resultado final. Uma coisa que atrai bastante no jogo é a forma que ele é exagerado. O golfinho pula tão alto que sai da Terra e passa pela Lua, por exemplo. E se você conseguir o combo máximo, chegará ao Restaurante no Fim do Universo, uma referência ao livro de mesmo nome de Douglas Addams.

4- TagPro



TagPro é um jogo multiplayer do estilo Capture a Bandeira. Você joga com uma bolinha que pode ser ou do time azul ou vermelho. Apesar da ideia bastante comum, o que atrai no jogo são os obstáculos que foram inseridos nele. Existem vários deles que dificultam a locomoção da bolinha e tornam tudo mais divertido. O apreço pelo jogo é tanto que existe até uma espécie de liga profissional de jogadores que organiza torneios regularmente.

3- Robot Unicorn Attack 



Robot Unicorn Attack é um jogo em plataforma em sidescroll (rolagem para o lado) criado pelo Adult Swim, da Cartoon Network. Cheio de bom humor ao fazer um visual bastante colorido e com a música que se encaixa bem neste visual (Erasure – Always), você começará a jogar rindo do visual e depois de 3 horas ainda estará jogando e depois de 5 dias ainda estará com a música na cabeça. 

2- BLOXORZ



BLOXORZ é um puzzle onde o objetivo é encaixar um tijolo no buraco de uma plataforma. Ele se encaixa bem (sem trocadilhos) na ideia de quanto mais simples um jogo é, maior a chance dele ser viciante. De acordo com seu avanço, novos elementos são adicionados e vai ficando cada vez mais difícil conseguir encaixar o tijolo no lugar certo. O jogo funciona por estágios e a cada fase que o jogador passa, recebe um password para o estágio vencido. Dessa forma, fica fácil voltar a jogar quando tiver tempo. Outra coisa interessante sobre o jogo é como o som dele é bem feito. Normalmente, jogos em flash tem uma música e sons que fazem a gente deixar no mute e continuar jogando, mas esse não. 

1- Pandemic



Em Pandemic o jogador controla uma doença (vírus, parasita ou bactéria) e tem um objetivo simples: matar toda a população da Terra. No começo, é possível escolher qual tipo de doença você vai evoluir (entre os 3 tipos citados) e qual o país em que ela será notada pela primeira vez. Cada tipo de doença tem suas qualidades e defeitos, tornando as 3 escolhas questão de preferência pessoal. De acordo com o número de pessoas que você consegue infectar, pontos são ganhos e podem ser utilizados para desenvolver ainda mais a doença, escolhendo os sintomas que as pessoas infectadas sentirão dali em diante. Se optar por sintomas internos, a pessoa morrerá mais rápido. Se optar por sintomas externos (como tosse e vômito), a doença se espalhará com mais rapidez. A partir de certo momento, cientistas do mundo todo começarão a criar uma vacina para sua doença e você terá que matar a população inteira da Terra antes que eles achem a cura. É um jogo bastante estratégico e extremamente viciante.

E aí, qual vocês já conheciam? Se fosse vocês, escolheria apenas o jogo que mais gostaram para jogar, pois certamente não terão mais tempo pros outros depois que começarem a jogar um. Todos os jogos podem ser encontrados neste link. É só mudar de jogo pelas setinhas que aparecem nos dois lados da página.

Beijos,
Jú Preto de copas (cartas)

18 dezembro 2013

Hey revolucionários!
Chegamos naquela época do ano em que muitos, a maioria, senão todos, sentem aquela leve ou intensa tensão típica de virada de ano, pois é mais um ciclo que está chegando ao fim para dar o passe a outro. Mas e o que nos espera? O que está por vir? Será que o próximo ano será melhor que o atual? Estas e outras perguntas afligem a maioria das pessoas e o receio das respostas faz com que se sintam presas ao passado, com medo de errar mais um vez.

E mais uma vez volto com o tema "medo de mudanças e novidades" aqui no blog, afinal isso faz parte da sociedade de uma maneira muito intimista e intimidadora. Eu mesmo me vejo muito nessas situações e vi que a maioria dos meus amigos e conhecidos também. O nosso erro é a intensidade com que vemos as coisas e por conta disso pulamos etapas, ao invés de pensar no início do processo, já estamos preocupados com o meio, o fim e o que vai rolar depois disso, em momento algum paramos para refletir em qual o melhor caminho para alcançar a meta que tanto almejamos, simplesmente voltamos todos os holofotes para "será que vou alcançar...?" "... e se não conseguir?". Ou seja, antes de tentar o começo, já estamos desistindo do final e nos contentando com o atual... PARE!

As mudanças são inevitáveis e tão necessárias quanto o ar que respiramos, aliás únicas coisas que nos é livre. Ninguém pode intervir em minhas escolhas, assim como ninguém pode controlar ou cobrar pelo ar que respiro. Sendo assim, vamos mudar esse lema, tente, arrisque, confie, tenha a esperança. E por falar em esperança, estou preparando um super post sobre o mito da Caixa de Pandora, meu favorito.

Voltando ao texto, a única fórmula para aliviar essa tensão e aflição é enfrentando-a, etapa por etapa, não pule degraus, não pegue atelhas e não se restrinja nem reprima por opinião dos outros, trace um objetivo e lute por ele, deixe as coisas fluírem e nunca permita perder a oportunidade do inevitável mundo novo, pois como a expressão já diz, não há como evitar e se você não construir o seu futuro, alguém o fará por você e tenho a certeza de que não vai te agradar.

Abraços do Vitu e até a próxima!

09 dezembro 2013

Uffa, enfim chegou dezembro e com ele aquela estranha sensação de "carambolas, o ano passou voando". No entanto, não acho que o não tenha passado assim tão rápido, ao menos o primeiro semestre passou como uma lesma, os últimos meses, sim, passaram num piscar de olhos.

Não sei vocês, mas quando chega essa época do ano, eu particularmente sinto uma leve tensão, afinal mais um ano chega ao fim, outro estar por vir e é hora de avaliar o que fiz e o que deixei de fazer, identificar os erros e acertos para enfim virar a página e começar 2014 com o pé direito e com foco no novo.

2013 foi sem sombra de dúvidas um dos anos mais conturbados de minha vida, repleto de altos e baixos, encontros e desencontros e principalmente conflitos existenciais e pessoais. Típicos de um libriano nato, o meu caso. Pois fazer escolhas extremistas não é do meu agrado, ainda mais quando há muita coisa envolvida e este é apenas mais um dos constantes processos de aprendizado da vida.

Não vou entrar em detalhes agora, pois em breve farei retrospectivas do blog e também sobre a minha nada mole vida, hehe. Enfim, estou postando mesmo só para matar a saudade e agradecer por vocês serem lindamente fiéis ao blog e visitarem mesmo com essa escassez de postagens. Até breve, revolucionários! 

14 novembro 2013


Hoje começa uma nova coluna no blog, composta por 5 artigos onde nas próximas semanas você saberão tudo sobre o surgimento dos vídeo games. E para começar, que tal saber como tudo começou?


O surgimento da calculadora eletrônica em 11 de novembro de 1918 foi fundamental para tornar a criação do vídeo game possível. Num processo natural, as calculadoras eletrônicas evoluíram e se tornaram grandes e potentes computadores – grandes o suficiente para ocupar vários andares de um prédio e potentes a ponto de calcular raízes quadradas e solucionar algumas equações por minuto. Eram revolucionários! Nos anos 1950 começaram a invadir as principais universidades norte-americanas e foram nelas que eles passaram a ser usados para as coisas mais estranhas que se possa imaginar – inclusive para desenvolver e jogar vídeo games.

OXO, Noughts and Crosses – O Jogo da Velha

Somente em 1952 foi que surgiu o primeiro vídeo game, do jeito que deve ser – gráficos digitais exibidos em um monitor de tubo de raios catódicos. OXO, Noughts and Crosses foi desenvolvido por Alexander S. Douglas como parte da sua tese de doutorado “Interação Homem-Computador”. O jogo na realidade trata-se nada mais nada menos do que o famoso “Jogo da Velha”, só que jogado em um computador com um controle de telefone analógico (sabe-se lá como hehe).

O esquema é o mesmo desde sempre: posicione o “X” ou a “O” no lugar que você quer e feche uma linha com eles. Apesar da simplicidade e da aparente falta de emoção, o jogo chamava atenção justamente por representar muitíssimo bem a “Interação Homem-Computador”, coisa que pouca gente conhecia fora das universidades e recantos militares.

Apesar de brilhante, OXO não se popularizou porque só funcionava no computador em que foi desenvolvido – o EDSAC – e, pasmem, ele era o único no mundo! Mesmo não tendo ganhado nem um centavo com o jogo, A.S Douglas ganhou seu título de doutor e OXO foi, e é, considerado o primeiro vídeo game do mundo!

Curtiram? Se a resposta for positiva, não percam na próxima semana, nesse mesmo dia, nesse mesmo horário, nesse mesmo blog, a continuação da história dos vídeo games!

07 novembro 2013


Esse artigo foi criado pela equipe do Magazine Luiza para o Revolução Nerd

Após 12 anos do lançamento do primeiro videogame, a Microsoft trás mais uma novidade, o Xbox One. Entretanto, está enganado quem pensou que por isso o Xbox 360 seria deixado de lado, muito pelo contrário, o console revolucionário que foi lançado em 2005 e aprimorado durante os anos continuará ativo. A proposta é que os dois consoles estejam à disposição dos consumidores ao mesmo tempo, lado a lado, já que ambos apresentam qualidade suficiente para isso.

O novo console da Microsoft conta com várias inovações, como era de se esperar. Entretanto, calma na hora de tirar conclusões rápidas sobre o assunto, as vantagens do Xbox One não anulam o Xbox 360, a versão anterior do videogame continua valendo a pena e os motivos para que ele seja o seu preferido não deixaram de existir. 

Duvida? Então confira:

1- Ele não está abandonado!


A Microsoft já declarou que não vai deixar de investir no console, a empresa ainda tem muitas cartas guardadas na manga para o Xbox 360. Como o plano principal é ter dois consoles disponíveis a venda simultaneamente, as novidades a partir de agora não serão exclusivas para o Xbox One, mas sim para ambos. Além disso, ainda existem projetos para opções exclusivamente voltadas para o Xbox 360. Portanto, ninguém corre o risco de ficar desatualizado.

2- Os jogos de Xbox 360 não serão compatíveis com o Xbox One

Esse é um dos itens que mais geram controvérsias entre os gamers. Quem tem um Xbox 360 e uma coleção de games, terá de abrir mão deles caso decida comprar um Xbox One, já que a Microsoft não ofereceu nenhuma solução para o impasse que impossibilita o uso de jogos da versão anterior no novo console. 

A lista de jogos anunciados para o One até agora não decepcionam, entretanto é importante lembrar que o 360 também conta com vários games já consagrados. Além disso, alguns jogos estudam a possibilidade de serem lançados em versões para atender aos dois consoles, um exemplo é o GTA V, que já está disponível para o Xbox 360, mas poderá ser lançado também para o Xbox One em 2014. 


3- Joystick



Mesmo que as mudanças do design não tenham sido tão radicais, esse é um dos quesitos que mais gera controvérsias. Por um lado há quem prefira o do novo console, já que o joystick foi aperfeiçoado e corrigiu alguns erros em relação à versão anterior, como o compartimento da bateria que era localizado na parte de trás e podia se tornar desconfortável. Em contrapartida, o design um pouco maior e mais quadrado do novo controle fez com que muita gente reclamasse e acabasse declarando a preferência pelo modelo do Xbox 360. De fato quem já está acostumado com o joystick do Xbox 360 pode sentir a diferença com o do Xbox One, mas essa é uma questão a ser decidida muito mais pelas preferências pessoais do que pelas informações técnicas.

4- Gráficos

A qualidade dos gráficos do Xbox 360 é inegável, em games mais elaborados, com cenas de grande contraste e pouca iluminação, isso fica claro, já que a imagem não perde a riqueza de detalhes. O Xbox One não poderia deixar de não apresentar uma evolução nesse assunto, entretanto a diferença entre os dois não é tão absurda assim, o Xbox 360 continua não decepcionando, mesmo em uma comparação com a nova geração. Vale a pena ressaltar, também, que o auge dos gráficos do 360 foi atingido depois de alguns anos de lançamento, assim ainda podemos esperar muitas melhorias no novo console da Microsoft.

5- Dose dupla

Quem já tem um Xbox 360 em ótimas condições ou novinho em folha, está sendo muito privilegiado com a intenção da Microsoft em não matar o console, por isso, vale sim a pena continuar aproveitando todas as vantagens que o console oferece. Entretanto, para quem não está mais aguentando de vontade de comprar um Xbox One, mas ao mesmo tempo tem medo de se arrepender de trocar o seu Xbox 360, a melhor opção pode ser testar os dois por algum tempo e depois decidir qual é o melhor para você com certeza.

O principal quando o assunto são os últimos modelos de console da Microsoft, é que os dois contam com várias vantagens, tanto técnicas como práticas, por isso não existe uma opção que seja pior em relação à outra. Para quem já tem um Xbox 360 e muitos jogos, a alternativa mais vantajosa pode ser continuar aproveitando esse console. Já quem está pensando em entrar agora no mundo do Xbox tem duas ótimas opções em mãos e não somente o console que será lançado.

25 outubro 2013


21 setembro 2013



E você, já abraçou uma árvore hoje?

Hoje, 21 de Setembro comemoramos o Dia da Árvore; essa data foi escolhida devido à primavera que inicia-se no dia 23, assim as árvores representam uma porta de entrada a essa maravilhosa estação!

Mas o motivo principal dessa data especial é a sua extrema importância para nós, seres humanos... Eu particularmente amo as árvores e me bate uma tristeza imensa ao vê-las sendo destruídas, devido à ambição  e ganância do homem, se ao menos plantassem outra no lugar... Mas não!

As árvores são responsáveis por grande parte da beleza do nosso planeta, com flores e frutos diversas, deixam o ambiente deslumbrante, fora que é imprescindível para o ar que respiramos.

Faça você também uma homenagem às árvores, vá agora mesmo e plante uma muda, eu já plantei, plante uma você também e lembre-se, não às desmate, elas também são seres vivos e sofrem com tal destruição.

ABRACE UMA ÁRVORE VOCÊ TAMBÉM!

28 agosto 2013





24 agosto 2013

Hoje inicia uma nova coluna no blog: Pesquisa de Opinião.
Onde toda semana irei abordar algum assunto polêmico ou do cotidiano, com a participação de amigos convidados e especialistas, além é claro, de vocês leitores.

O assunto da vez é amizades virtuais, muito comum nessa revolução digital, será que esse tipo de relação é tão verdadeiro quanto o contato humano, de fato? Eu particularmente acredito que sim, afinal tenho amigos que só conheço virtualmente e estes são tão importantes quanto os demais. Alguns são tão próximos (mesmo tão distantes) que parecem amigos de infância, apesar de nunca tê-los visto pessoalmente. Segundo o psicólogo australiano Paul James, especialista em relacionamentos humanos, isso funciona quando há uma relação recíproca em que ambos sintam-se à vontade com o outro, pois todos nós buscamos companhias agradáveis, pessoas semelhantes e que tenham algo a nos acrescentar e no ambiente virtual as possibilidades são bem maiores.

Por outro lado, algumas pessoas constroem personalidades e identidades que nem sempre são condizentes com a realidade, o que acarreta numa falsa relação de afetividade. Sem contar que muitos acabam levando a vida virtual ao extremo, esquecendo-se do contato real/pessoal, o que gera o individualismo e um vazio existencial, ou seja, você pode estar cercado de amigos virtuais e ao mesmo tempo se sentir mais solitário do que nunca.

---------------------------- Vejamos agora a opinião dos meus amigos convidados:

Paula Melo, 17 anos - Acredito que existam sim amizades virtuais, tive duas até hoje e foi super bacana o relacionamento. Nunca fui muito de confiar na internet, então não arriscaria encontrá-los pessoalmente, apesar de que todos eles moram bem longe de mim. Enfim, acho que vai de pessoa para pessoa, eu sou muito desconfiada e não confiaria fácil em algo virtual.

Lyzza Dawellyng, 19 anos - Creio que é possível criar vínculos por meio das redes sociais, afinal toda relação, seja ela de coleguismo, amizade ou afins, incia-se por meio de um diálogo, que pode ser feito pessoalmente ou virtualmente. Nesse ponto entra a questão do quão verdadeiro o outro está sendo, pois criar vínculos embasados em mentiras e enrolação é totalmente dispensável, do contrário, havendo sinceridade, o vínculo iniciado por meio do diálogo ganha certa credibilidade, e aqui começa o grande problema, amizade apenas virtual tende a não ser muito duradoura, logo, aliar vínculos virtuais a contato pessoal torna-se uma boa opção, apesar de nem sempre ser praticada.

Marcelo Silva, 18 anos - Essas amizades mechem com a gente, mechem com o nosso ser de uma forma tão grave que não se pode deixar de falar um dia sequer, pois dá saudade, dá um aperto no peito, e a gente começa a pensar besteira. São amigos bobos, mas muito especiais. São amigos que nunca vimos, mas que sentimos sempre perto da gente. São amigos que sempre nos dão atenção, nos dão carinho, nos fazem companhia. São amigos que conhecem a gente bem mais que “amigos reais”. São amigos que gostam da gente, de verdade... Amigos virtuais são mais especiais que muito amigo real. Enfim, as amizades virtuais estão aí, umas desagradáveis, mas outras tão especiais que fazem nossa vida mudar de rumo. As amizades virtuais são assim, nem sempre dão certo, mas quando dão é pra vida toda.

Katty Zúñiga - psicóloga componente do NPPI - "Viver uma amizade virtual se transforma em um grande exercício mental, onde os protagonistas se permitem explorar possibilidades que não se atreveriam experimentar no mundo presencial. Dessa forma, os relacionamentos virtuais, quando bem vividos, nos ensinam e ampliam nossos horizontes. Mais que isso: muito do que vivenciamos via computador pode ser depois resgatado e trazido para o mundo real, melhorando as performances individuais. Um “amigo virtual” é um “amigo” antes de ser “virtual”. Se essa amizade for construtiva, exercitá-la no mundo presencial é uma evolução bem-vinda, que aliará as vantagens dos dois ambientes em torno de uma mesma pessoa. E aí as redes sociais passam a ser apenas mais uma das formas de contato, e não apenas a única".

Anônimo - Sabe, quando uma pessoa aparece do nada na sua vida? E você parece que conhece a pessoa a muito tempo? Você confia muito nessa pessoa, ao ponto de contar seus segredos mais profundos, desabafar com ela sobre tudo? Pois é mas, dai aparece uma coisa chamada distância, e te impede de ver a pessoa, de falar o quanto ela é importante pra você, de abraçar ela? Pois é eu sei bem como é isso, e eu tenho muito que agradecer essa pessoa, porque cara ele me ajudou muito.

Seja no mundo virtual ou real, qualquer amizade é saudável, desde que haja reciprocidade entre as partes, com verdade e confiança, afinal nada melhor que poder contar com os amigos nos momentos bons ou ruins! Eu quero e espero muito poder ver os meus amigos virtuais, dar-lhes aquele abraço apertado e tão esperado, como de um pai que abraça seu filho pela primeira vez!

 E você, leitor, o que pensa sobre amizades virtuais?

21 agosto 2013

Cérbero é o cão mais famoso de toda a Mitologia; guardião do Reino dos Mortos, a sua missão não consistia em impedir a entrada de alguém (como faz qualquer cão de guarda que se preze), mas sim, em não deixar ninguém sair de lá.

De acordo com a mitologia, Cérbero era filho de Tifão e Equidna (dois grandes inimigos do Olimpo) e pai da famosa Esfinge. Etimologicamente falando, significa "demônio do poço".

Quando os homens morriam, eram transportados na barca de Caronte para a outra margem do rio Aqueronte, onde estava a entrada do reino de Hades. O acesso estava vedado por uma porta de diamante, junto da qual Cérbero montava guarda. Sempre feroz, atormentava não só as almas que tentavam escapar do inferno, como também as que ali penetravam. Por causa disso, muitos costumam descrevê-lo como devorador de homens. Outros mitos relatam ainda que Hades condenava criminosos e assassinos cruéis a terem seus corpos comidos pelo seu "cãozinho de guarda".

A verdadeira forma de Cérbero é uma incógnita devido as contradições da mitologia. Alguns mitos o descreve como um cão de duas ou três cabeças; enquanto algumas passagens da Teogonia de Hesíodo, atribui a ele cerca de cinquenta, já autores antigos, como Horácio e Licofrone, chegam a atribuir-lhe nada menos que cem cabeças. Cérbero possui outras aparências, como uma serpente com cabeça de dragão ou um leão com cabeças de serpente e outras mais, tudo fruto da imaginação dos povos helênicos. No entanto a mais comum e aceitável é de um cão pra lá de grande e com três cabeças.

Outro fato curioso em relação ao cãozinho de Hades é que para enganar as almas que tentavam fugir e aos espertinhos que queriam invadir as profundezas, Cérbero costumava dormir de olhos abertos e manter-se acordado mesmo de olhos fechados. Ótima tática, hein!

Alguém mais aí quer o Cérbero como o seu cãozinho de guarda?

19 agosto 2013

A revolução digital não é mais nenhuma novidade, cada vez mais pessoas de todas as idades inovam no mercado mais competitivo do mundo! Mas e você, será que está por dentro da linguagem desses prodígios da tecnologia?

Hacker: Especialista em quebrar códigos de sites, desbloquear celulares e invadir sistemas virtuais. Ao contrário do que muitos pensam, esse termo não deve ser utilizado para aqueles mal intencionados que descobrem sua senha em redes sociais e faz todo aquele "inferno" em sua conta. Os verdadeiros hackers são aqueles que usam suas habilidades para desenvolver programas, achar soluções de segurança ou simplesmente estudar o mundo digital;

Cracker: Ao contrário do hacker, este utiliza suas habilidades de forma criminosa, invadindo computadores e sistemas de segurança com segundas intenções;

Crack: Software que modifica programas para remover métodos de segurança. Muito utilizado para burlar os registros de programas pagos;

Lamer: A maioria daqueles que se dizem hackers, mas na verdade sabem apenas o básico do básico e o fazem para chamar atenção;

Script kid: Termo depreciativo para um hacker iniciante;

Black hat: Simplificando, bandido virtual;

White hat: O contrário do anterior, é o mocinho da web, desenvolve tecnologias de segurança virtual;

Phreak: É o hacker da telefonia;

Trojan: Programa que age como um cavalo de tróia. Muito comum em arquivos de downloads, é a porta de entrada para invasores virtuais, por isso muito cuidado ao baixar ou sair clicando em links da internet, qualquer clique errado pode pôr em risco o seu PC e sua privacidade virtual;

Leet: Aquele código que costuma confundir muitas pessoas, ao substituir letras do alfabeto por números e símbolos.

E você, conhece algum outro termo que poderia estar nessa lista? Escreva para o #RN ou deixe a sua sugestão de postagem:

15 agosto 2013

Na separação de reinos, entre os 3 Grandes, Hades optou por reinar sobre o submundo e abriu mão de um trono no Olimpo. Assim, ele se tornou o guardião das profundezas.

O território de Hades tem todo um ar sombrio e tenebroso, mas poucos sabem que lá é onde se faz justiça. Além do próprio reino dos mortos, mais conhecido como Érebo, há outras duas regiões: os Campos Elísios, tido como o paraíso, para onde as almas puras e felizes eram levadas; E o Tártaro, onde estão as cavernas e grutas mais profundas e os cantos mais terríveis do reino, para onde todos os inimigos do Olimpo são enviados e onde são castigados por seus crimes.

Hades tem o poder absoluto sobre o mundo inferior e cada um dos seus nomes corresponde a um aspecto desta sua soberania. Na mitologia romana, é conhecido como Plutão, o senhor das riquezas. Etimologicamente, Hades é o Invisível. Por isso ele é o misterioso, terrífico e impiedoso soberano dos Infernos, universalmente odiado. O seu capacete (Elmo da Escuridão), sobretudo, tem a propriedade de o esconder de todos os olhares. 

Ao contrário do que muitos pensam, Hades não é o deus da morte e sim o da pós-morte, ele comanda as almas depois que as pessoas morrem. Outro equívoco que me deixa indignado é que a maioria das adaptações feitas em livros, filmes, jogos, etc. colocam Hades com um deus maligno, cruel e que busca destronar seus irmãos e reinar sobre o Olimpo. Porém se formos retratar a essência da mitologia grega, veremos que ele é o mais hospitaleiro e justiceiro dos deuses, talvez o mais honesto e também o mais poderoso, uma vez que o reino dos mortos é o maior, quando comparado aos mares de Poseidon e o céus e terras de Zeus. E foi dele a escolha de revogar a um trono no Monte Olimpo. 

Gostaram de conhecer um pouco mais sobre Hades? Espero que sim, pois este é o meu deus mitológico favorito. E não percam na próxima semana: 
Cérbero - o cãozinho de Hades.


13 agosto 2013

Vocês conhecem Tim Berners-Lee? Provavelmente não, mas deveriam pois graças a ele a internet tornou-se uma ferramenta de uso pessoal e disponível para todos. 

Quando a internet surgiu em meados dos anos 60, sua finalidade era restritamente militar e à disposição do governo. Com o passar do tempo foi tomando destaque no universo científico, sendo fundamental na troca de dados entre equipes internacionais. Mas seria apenas isso, uso cientifico e militar, se Berners-Lee não tivesse criado o WWW (World Wide Web), que muitos pensam não ter nenhuma funcionalidade.

Um equívoco pensar assim, pois o WWW é o protocolo comum e padronizado que permite toda e qualquer troca de informações pela rede. O sistema é bem simples (para alguns rsrs) e consiste em três elementos: domínio (um endereço que corresponda a um servidor); um protocolo de transmissão e a noção de hipertexto, que é toda a linguagem de programação que codifica e permite a exibição de textos, imagens, links e demais elementos gráficos. Sem esses elementos, a navegação seria impossível!

Mas todo esse processo de codificação e descoberta de protocolos foi bem demorado e Berners-Lee, passou muitos anos estudando e trabalhando no Cern, um laboratório europeu de física de partículas. Finalmente em 6 de agosto de 1991, o primeiro website foi colocado online.

No entanto o seu grande e verdadeiro mérito foi não ter patenteado o WWW, pois seu objetivo era trabalhar em função da humanidade, com uma rede livre e que pudesse ser facilmente utilizada por todos. Se tivesse sido patenteado, a internet dificilmente teria se estendido por todo o globo e teríamos de pagar para publicar um blog, acessar as redes sociais, etc. 

Curioso, não? Espero que agora, o nome Tim Berners-Lee esteja presente em nossos sinceros agradecimentos, hein!

06 agosto 2013



03 agosto 2013

Enfim estou de volta à ativa, depois de um mês de um viagem. Voltei revigorado, repleto de novidades e ansioso para colocá-las em prática. Durante os próximos dias o blog sofrerá algumas alterações, as colunas serão reformuladas, as postagens voltarão a ser mais frequentes e bem variadas, além de mais espaço e visibilidade nas redes sociais. Aos poucos as novidades irão se concretizar, é só aguardar!

E mais uma vez conto com a participação de todos, com sugestões e opiniões, pois o #RN é feito especialmente para vocês.

15 julho 2013

Peço desculpas pela falta de postagens, estou viajando e não tem como estar postando com frequência, no entanto hoje é uma data mais que especial, pois faz exatos 2 anos que uma saga entrava para história, não por ter chegada ao fim, mas sim por ter se tornado uma lenda.

Tudo começou em 1997, quando o primeiro exemplar do livro, Harry Potter e a Pedra Filosofal, era publicado em território britânico. Quase 3 anos depois o livro é publicado no Brasil. Em poucos meses de seu lançamento, Harry Potter, já era um sucesso comercial.

Com o passar do tempo J.K. Rowling foi ganhando grande destaque não só no território britânico, mas ultrapassando as fronteiras. Ano após ano, cada vez mais os fãs ficavam apreensivos em qual seria as novas aventuras que J.K. preparava nos próximos livros. Sucessivamente tivemos Harry Potter e a Câmara Secreta; Harry Potter e o Prisioneiro de Askaban; Harry Potter e o Cálice de Fogo; Harry Potter e a Ordem da Fênix; Harry Potter e o Enigma do Príncipe e Harry Potter e as Relíquias da Morte. Uma sucessão de imperdíveis aventuras que se estenderam em 10 anos do primeiro livro lançado em 1997 (Reino Unido) e do último lançado em 2007 (Mundo).

Em 2001 acompanhávamos a primeira adaptação nas telonas, batendo recorde de bilheteria em todo o mundo. E filme após filme, as aventuras ficavam cada vez mais radicais, mais interessantes, com mais e ação e muito Magia.

Como acreditar? Já faz mais de uma década de quando tudo começou e Harry Potter continua sendo aclamado e amado em todos os cantos do mundo, arrebatando uma legião de fãs, que hoje estão todos voltados para um dia emocionante e nostálgico, relembrando momentos dos livros e filmes que marcaram e continuarão marcando gerações. 
 
Há dois anos, fãs de todos os lugares estavam apreensivos e ansiosos para o desfecho da maior saga de todos os tempos. Mesmo após tanto tempo, o sentimento é o mesmo, pois a magia de Harry Potter, eternizou-se em nossos corações, como uma lenda que jamais será esquecida!

28 junho 2013

O fim de semana está só começando e não há nada melhorar que curtir o tempo vago num cineminha, não é mesmo? Mas se você está na dúvida de qual filme assistir, o RN resolve o seu problema, pois confira agora os destaques dessa semana:



Mike Wazowski (Billy Crystal) e James P. Sullivan (John Goodman) são uma dupla inseparável em Monstros S.A., mas nem sempre foi assim. Quando se conheceram na universidade, os dois jovens monstros se detestavam, com Mike sendo um sujeito estudioso, mas não muito assustador, e Sulley surgindo como o cara popular e arrogante, graças ao talento inerente para o susto. Após um incidente durante um teste, os dois são obrigados a participarem da mesma equipe na olimpíada dos sustos. A equipe, por sinal, é formada por uma série de monstros desajustados, para o desespero de Sulley, acostumado a conviver com os caras mais populares da escola.



Dona Hermínia (Paulo Gustavo) é uma mulher de meia idade, divorciada do marido (Herson Capri), que a trocou por uma mais jovem (Ingrid Guimarães). Hiperativa, ela não larga o pé de seus filhos Marcelina e Juliano (Mariana Xavier e Rodrigo Pandolfo), sem se dar conta que eles já estão bem grandinhos. Um dia, após descobrir que eles consideram ela uma chata, resolve sair de casa sem avisar para ninguém, deixando todos, de alguma forma, preocupados com o que teria acontecido. Mal sabem eles que a mãe foi visitar a querida tia Zélia (Sueli Franco) para desabafar com ela suas tristezas do presente e recordar os bons tempos do passado.

Uma terrível e misteriosa doença se espalha pelo mundo, transformando as pessoas em uma espécie de zumbis. A velocidade do contágio é impressionante e logo o Governo americano recruta um ex-investigador da ONU (Organização das Nações Unidas) para investigar o que pode estar acontecendo e assim salvar a humanidade, tendo em vista que as previsões são as mais catastróficas possíveis. Gerry Lane (Brad Pitt) tinha optado por dedicar mais tempo a sua esposa Karen (Mireille Enos) e as filhas, mas seu amor a pátria e o desejo de salvar sua família acabam contribuindo para que ele tope a missão. Agora, ele precisa percorrer o caminho inverso da contaminação para tentar entender as causas ou, ao menos, indentificar uma maneira de conter o contágio até que se descubra uma cura antes do apocalipse. Começa uma verdadeira corrida contra o tempo, que mostra-se cada vez mais curto, na medida que a população de humanos não para de diminuir. 





'Todo Mundo em Pânico 5' se passa no mundo da dança, e tem um arrogante, distante, mandão, e sensual diretor francês chamado Pierre comandando uma grande produção.

Jody, de 20 e poucos anos e mãe de dois filhos, e sua amiga afro-americana Kendra estão competindo pela liderança na produção. A mãe controladora e ex-bailarina de Jody está determinada a conseguir o papel principal para sua filha, garantindo a carreira brilhante que sua gravidez a impediu de ter. Já Heather Daltry, prestigiada e veterana bailarina de 30 e poucos anos, é demitida da produção e enlouquece. O filme traz referências satíricas a Cisne Negro, Pânico 4, Atividade Paranormal 3, Premonição 5, Planeta dos Macacos: A Origem, entre outros.
------------------------------------------------------------------------------------
E aí, o que acharam? Eu particularmente continua na dúvida de qual assistir primeiro!

21 junho 2013

Muitas pessoas têm me perguntado e questionado à respeito das manifestações; se estou participando e apoiando, ou simplesmente qual a minha posição. Após uma semana de protestos, bom, chegou o meu momento de falar!

Esperei durante muito tempo, ansioso, para ver a população tomar consciência do seu papel e partir para a ação, no entanto ao acompanhar os noticiários pela TV e internet, senti imensa vergonha e decepção. À primeira instância, estava disposto a participar, afinal, como dito popularmente, o Gigante acordou! Porém, se acordou, continua ainda muito sonolento, dormindo acordado, ou como li em um status no Facebook, "bêbado".

É deprimente ver que tantas pessoas vivem num mundo utópico, mascarado por sonhos e facilidades. Não estou sendo pessimista, tampouco menosprezando os protestos e manifestações, só estou agindo com realismo, sinceridade e, pasmem só, verdadeiramente democrático!

Quais são mesmo as reais causas de tantas manifestações? A resposta é clara: "Não são só pelos 20 centavos". Será? Parcialmente sim, mas vejamos: as causas aumentaram, certo? Foram ampliadas com o objetivo de tornar a manifestação mais válida e concreta. No entanto, isso não passa de mais uma ilusão social, uma vez que quando trocamos vinte centavos por “corrupção” não estamos ampliando o alcance, estamos reduzindo. Não se inicia uma revolução com base de contestamentos, mas sim com questionamentos, começando por nós mesmos! Protestar contra a corrupção e política, são protestos tão vagos, quanto eu protestar contra a sombra de uma árvore no meu quintal, afinal foi eu quem plantou tal árvore, ou seja sou eu o culpado e não um terceiro.

Esse é o ponto forte deste texto e o motivo principal por eu não estar nessas manifestações, a incoerência pessoal! Cresci ouvindo queixas da população para com os políticos, cresci ouvindo gritos contra a corrupção e clamando por mais saúde, segurança e educação, porém me assustei ao adquirir uma consciência crítica em perceber que durante todos esses anos, os mesmo erros foram repetidos, as mesmas escolhas, as mesmas atitudes, os mesmos protestos! Afinal é muito mais fácil reclamar e queixar-se, do que buscar as causas e apontar soluções, não é mesmo? É mais confortável e agradável colocar a culpa dos problemas sociais brasileiros nas mãos dos políticos e grandes empresários, pois eles são a elite e consequentemente a minoria!

Sem contar que aqueles que estão em suas casas, numa possível zona de conforto, são tido como "acomodados", muitos realmente são, mas eu não me incluiria nessa parcela e me atrevo a dizer que a maioria dos manifestantes, estes sim são pessoas acômodas, pois ao invés de estarem contribuindo para uma nação de intelectos, capazes de levantar questionamentos que afrontem a atual máquina capitalista e pseudo democrática, estão em meio às ruas com os seus gritos vagos e mudos, lutando por uma causa perdida, popularmente conhecida como "tapa-buracos".

"Há de se discernir pessoas aliadas de pessoas que não se importam. Marchar pode ser romântico, mas não é radical. Um milhão de pessoas sem nada a dizer, sem privilégios a questionar, sem questionamentos a fazer, sem patrimônios a quebrar, sem tópicos a discutir, não é uma multidão acordada. É, no máximo, um gigantesco episódio de sonambulismo político."


A verdadeira revolução, deve acontecer primeiramente dentro de cada um de nós, dentro de mim, pois eu sou o maior dos corruptos, sou eu quem acolheu a corrupção, sou eu quem me faz dependente da máquina capitalista, afinal eu sou o autor da minha vida. As verdadeiras mudanças só irão começar quando nós, individualmente, nos colocarmos contra a parede e julgar tópico por tópico, a nossa própria vida. Se eu quero uma democracia, devo reconhecer que no Brasil, ela não existe, se eu quero melhoras no poder público, tenho que reconhecer que antes dos políticos e do sistema, o poder está em minhas mãos e sou eu quem escolhe quem vai o utilizar! Leia mais, aqui.

Pensem nisso e aproveitem para compartilhar as suas opiniões de forma clara e espontânea, sem ofensas e repúdios. Vamos iniciar aqui, um diálogo coeso, repleto de argumentos e questionamentos capazes de contribuir e acrescentar à nossa nação...

14 junho 2013

Vivemos numa busca constante de resolver nossos problemas a qualquer custo, muitas vezes criando falsos culpados, sem nem sequer pensar em soluções. Isso é tão comum que, eu diria, tornou-se algo banal. É justamente aquela "filosofia" de que 'a culpa é minha e à coloco em quem eu quiser'.

Será que quando nos vemos em meio a um amontoado de problemas, paramos para pensar que só pôde ser possível chegar a tal proporção porque nós mesmos deixamos que acontecesse? Porque sem dúvida nenhuma, eu sou o grande autor da minha vida, sou eu quem escolhe qual caminho seguir, como falar e agir, enfim tudo o que acontece em minha vida depende exclusivamente de mim!

No entanto este é um ideal pouco partilhado, pois é muito difícil reconhecer nossos próprios problemas, afinal é muito mais fácil e agradável julgar aos outros, do que se julgar, não é mesmo? Pois bem, pode até ser mais fácil, mas deveria, e deve, ser evitado.

Nos últimos dias me vi em meio a "uma mata sem cachorros", como diz o ditado popular! Lidar com pessoas deve ser algo muito frágil e delicado, pois nem sempre, e quase nunca, o que somos é o que realmente aparentamos ser. Posso ser a pessoa mais dócil e amável do mundo, mas se não passo essa imagem para as outras pessoas, estaria sendo retórico, pois considero difícil e turbulenta uma vida em que haja frequentes conflitos entre aparência e verdade.

Talvez o maior motivo para esse conflito sejam as próprias pessoas, pois muitos levam a vida com tanta superficialidade que simplesmente não vivem vida nenhuma. Mais uma vez entra em cena o debate viver X sobreviver! E a melhor maneira de vencer esse debate, superar os conflitos internos e estar forte para as batalhas da vida é reconhecer que o verdadeiro inimigo está em  você e só passará a verdadeiramente viver, no dia que vencer a si mesmo.

05 junho 2013

Vocês conhecem J-MusicSe a resposta for sim, vocês estão de parabéns, mas se ainda não conhecem, esta é uma ótima oportunidade para conhecer!

Na postagem de hoje vou dar apenas uma rápida introdução, pois estou preparando uma super postagem sobre cultura japonesa... Bom, J-Music é a sigla utilizada para definir música japonesa no geral, ou seja, todos os seus gêneros, onde se destacam o J-Rock e o J-Pop.

O J-Pop, ou Pop Japonês, é bem similar à música pop que conhecemos, mas com uma linguagem mais simples e instrumentos modernos, além de uma musicalidade completamente original!
Já o J-Rock, que eu amo de paixão, é o rock japonês (óbvio né). E é um estilo bem amplo, com várias subdivisões musicais, mas sem fugir da sua origem: o rock.

Dentro do cenário J-Rock, nasceu uma vertente muito interessante pouco conhecida no ocidente chamada Visual Kei, um movimento que mistura vários estilos musicais no qual as bandas usam roupas e maquiagens elaboradas e perfomances extravagantes, e cuja ideologia inicialmente os levava a tentar mudar a visão da sociedade. 

E por fim, tem a música Enka, que conheci a pouco tempo por meio de nossa colaboradora, a Chris. E logo de cara me apaixonei, porque é bem relacionado a questão do sentimento e tal, tipo como uma forma de expressar na canção aquilo que não pode ser pronunciado!

Por hoje é só, mas em breve tudo sobre Cultura Japonesa.
 AGUARDEM!!!

30 maio 2013

Large
Se é para dar de 0 à 5 estrelas ao livro, eu darei 5. É mais um dos livros de John Green que li, um dos meu autores favoritos até o momento.

Não conseguiria comparar O Teorema Katherine com A Culpa é Das Estrelas porque os dois são muito bons e se tratam de assuntos totalmente diferentes. Um trata-se para o lado mais nerd, outro para o lado emocional. Os dois fazem parte da minha característica pessoal, e então seria impossível dizer qual é o melhor que já li.

O Teorema Katherine não fez tanto sucesso como fez A Culpa É Das Estrelas porque (a) este último, foi lançado primeiro, (b) existem mais pessoas emocionais do que "nerds", então (c) quase ninguém se interessaria a ficar lendo sobre um teorema.

O livro é um dos mais valiosos que já li até agora porque prova que você mesmo já sabendo que tal coisa pode acontecer, você pode impedi-la se quiser. Além disso prova que é possível, sim, você ter uma grande amizade com pessoas que são muito diferentes de você. Por exemplo, no livro uma garota que lê uma revista de celebridades constrói uma grande relação com um garoto totalmente inteligente, um prodígio. E que até no final (alerta spoiler) eles acabam namorando.
 
© Revolução Nerd 2015. Design por Vitu